Madre Maria José de Jesus - FRASES

MADRE MARIA JOSÉ DE JESUS - FRASES

1 - Sempre se esforçar por aperfeiçoar a serenidade, silêncio, redução de todos os sentimentos a uma adesão simples e filial ao que é atualmente. Que segredo de santidade, o saber saciar-se da densidade sobrenatural do momento presente com toda humildade e tranquilidade interior.

2 - Conservar a alma recolhida, tranquila, livre, bem estabelecida no “único necessário”, sob a influência da graça do momento presente. Assim aproveitará uma infinidade de graças atuais, algumas vezes muito profundas, que as almas agitadas deixam escapar.

3 - Deixar morrer o passado, esperar o futuro com confiança, viver o presente a fundo sob a luz de Deus. Não olhar para a cruz, mas estender-se nela, bem entregue a sua ação atual, ao que espera de nós a cada instante.

4 - Como o coração divino honra e estima os pecadores, os fracos e imperfeitos! Não somos nós deste número? E, sendo assim, que não devemos nós fazer pelos nossos irmãos?

5 - O Carmelo é o deserto por onde vamos caminhando, guiadas por vós, sustentadas pela eucaristia, não só durante os dias luminosos, mas também nas noites laboriosas, até chegarmos ao Monte de Deus, que é a glória.

6 - Conservar a alma solitária, vazia de tudo que não é Jesus, passando serena, tranquila no meio das tristezas e alegrias, vendo, na luz a fé, pairar sobre tudo que se agita, a providência pacífica e pacificadora.

7 - Passar no meio dos acontecimentos, cada dia, cada hora, lidar com as crianças, dar-se plenamente a elas, sem deixá-las nos prender nem penetrar no sacrário interior onde mora o divino Hóspede.

8 - O deserto não é questão de lugar, mas sim de disposição interior. Silêncio interior e exterior, vigilância na fé pura… Alma aberta para receber a graça do momento. Sair de si, ficando unida a Jesus no santuário íntimo, mas entregando-se ao seu amor no heroísmo da banalidade cotidiana.

9 - Oração que é vida, e vida que é oração.

10 - É preciso utilizar o presente para preparar a alma ao que nos trará o amanhã, sempre mais paz, equilíbrio e vigilância. A cada instante ancorar-se mais à fé pura, esperando o auxílio divino que não falta a quem confia cegamente na providência.

11 - Fechar os olhos, entregar-se à cruz que cada momento nos traz. É grande sabedoria saber entregar-se sem resistência, esperar, permanecer numa expectativa vigilante, numa paciência fecunda, numa submissão respeitosa, adorada das iniciativas, das delongas, dos abandonos da providência, generosa em colaborar, associar-se à obra divina.

12 - Quando confiais a S. Pedro o cuidado de pastorear vossas ovelhas e lhe entregais as chaves do reino dos céus, não lhe perguntais se tem ciência, ou virtude, ou energia, ou zelo, ou dedicação. Só uma coisa quereis saber: “Simão, filho de João, tu me amas mais que os outros? ” (Cf. Jo 21,15).

13 - O amor quer convivência, comunicação de bens, semelhança, troca de palavras, de presentes, de carinhos. Não se cansa, não desanima, não se farta. Só quer uma coisa: sempre mais amar e ser amado. E o que fazeis, Jesus, na eucaristia.

14 - Por meu amor, o que não fez Deus? — Criação, encarnação, redenção, eucaristia, graça, os sacramentos, a Igreja, o céu… Seria impossível enumerar os benefícios divinos. E tudo é amor.

15 - Procurar se estabilizar neste equilíbrio perfeito entre a precipitação (que passa na frente da providência), e a negligência (que fica atrás). Deixar-se guiar pelo dom do conselho, que nos sugere aquilo que Nosso Senhor quer de nós a cada momento.

16 - O amor de Deus! O amor do próximo! São dois pélagos insondáveis, que melhor será dizer: sois um mesmo pélago que não tem fim!

17 - Jesus não sabe resistir a quem o deseja e o chama. Acode às necessidades dos seus. Assim curou a sogra de Pedro; de longe, deu saúde ao servo do centurião e ao filho do século; espontaneamente oferece-se a sarar o paralítico na piscina; faz Zaqueu descer da árvore e come com ele.

18 - Quando o altíssimo quis dar o preceito do amor, não se dirigiu a um punhado de almas escolhidas e santas. Não! fala no Sinai a “todo o povo de dura cerviz e de coração incircunciso” (At 7,51).

19 - Quero amar-vos em meus pensamentos, palavras e obras. No exercício das virtudes. No cumprimento do dever. Na abnegação. Na renúncia. No zelo de vossa glória. Na oração contínua. No silêncio. Mas sobretudo quero amar-vos no próximo.

20 - É preciso, e indispensável chegar à aceitação espontânea, até a comunhão amorosa com a vontade divina, até o abraço voluntário com a cruz esmagadora… Nas dificuldades, nos momentos de aridez, de desolação, é quando sobretudo se deve dizer e viver a cada instante o “fiat” — que entrega tudo.

21 - Situar a alma no plano do mais perfeito, isto é, do mais humilde, pobre, da obediência, da fidelidade pura no esquecimento total de si e de tudo. Santificar-se no comum, aproveitando o dever de cada momento. Portanto, cada vez mais docilidade à graça, aos mínimos convites do Espírito Santo.

22 - A reta intenção, o espírito de fé, o agir sempre com amor e por amor, transformam as areias do deserto em pérolas preciosas.

23 - Serei eu sua, deveras, como Ele quer? Amo-o como Ele me ama? Não se aplicam a mim aquelas palavras do profeta Elias: até quando claudicareis ora para um lado, ora para outro? Se reconheceis que o Senhor é Deus, pois então segui-o.

24 - Situar a alma no plano do mais perfeito.

25 - Ser fervorosa, ardente nas imolações que se apresentam e no aniquilamento interior, dócil à graça para nunca opor o menor obstáculo à invasão do Amor eterno, ser cada vez mais o puro nada nas mãos do Tudo; aquela que não é entregue à vontade daquele que é.

26 - Só te falta uma coisa na vida. É dizeres sim. Um sim bem de coração. Deixar o passado e o futuro de lado e viver o teu sim a cada instante, querendo tudo o que Ele quer: ambiente, lutas, desolações, tentações, falta de saúde, cansaços etc....  Aplica-te em querer o que ele quer ou permite. Que bela vida, olhar só para ele e dizer sempre sim.

27 - Se soubesses a sede que tenho de ser santa; a necessidade, a ideia fixa quase de agradar e obedecer a Deus em mim e de ser fiel quase ao infinito, verias que a maior prova de amor que alguém me pode dar é fazer bem à minha alma.

28 - No exercício das virtudes, na vida de cada dia, Deus fará por mim, mas não dispensará minha cooperação.

29 - Devemos ser como o grãozinho de mostarda que, sendo pequenino e desprezível, tem em si tanta força que se torna uma grande árvore e em seus ramos fazem ninho as aves do céu. Também nós devemos dar abrigo às almas, abrir nosso coração a todas as suas necessidades.

30 - A castidade é essa flor imaculada e sensibilíssima que o menor contato, o menor bafo cresta e enegrece. Para conserva-la em todo seu viço e formosura, é preciso uma fidelidade de todos os instantes, uma cautela, uma delicadeza, um carinho de quem zela o mais precioso e frágil depósito de que há de prestar rigorosa conta.

31 - Na nossa vida espiritual, material, social etc., muito maior é a parte de Deus, do que a nossa. Sem sentir, fazemos de nós mesmos o nosso Deus, o centro de tudo. Mas não deve ser assim. Só ele é tudo, o resto e acidental.

32 - Deves procurar ser alma de oração. A oração consola, fortalece, anima, levanta para o céu, faz conhecer a Deus, ensina a nos conhecermos, faz vencer os defeitos, disciplina as paixões, ensina a praticar a virtude, santifica e une a Deus, abrasa no divino amor. Quanto precisamos de oração!

33 - É preciso ter paciência com os nossos próprios defeitos e com os dos outros. Acomodarmo-nos ao próximo. Sofrer a todos porque todos têm que sofrer também a nós. O segredo para praticar a caridade é ver Deus no próximo.

34 - Na face de cada um de nossos irmãos, vejamos a santa face de Jesus. Se algum dia nos parecer desfigurada, entumecida, negra, coberta de escarros hediondos, semelhante à de um leproso, pensemos: “Um inimigo é que fez isto” (Mt 13,28), e redobremos de amor e de compaixão, procurando como Verônicas fazê-la voltar a primitiva formosura.

35 - O segredo da perfeição consiste nisto: extrair do momento presente e das circunstâncias atuais todos os elementos de santificação que nos oferecem, considerando este momento, estas circunstâncias determinadas, como o termo concreto do divino querer.

36 - Nas mãos de Nosso Senhor as criaturas são apenas instrumentos. É sumamente importante conservar às criaturas a sua causalidade secundária e instrumental. Como se contrariar ou revoltar contra um instrumento que está na mão do Amor eterno e só faz a obra do Amor eterno?

37 - Por cima do choque tremendo das vontades humanas, paira a providência. Tudo, afinal, só será a realização da adorável vontade de Deus em todas as suas modalidades, isto é, tudo que acontece concorre para a obra da salvação e redenção que finaliza exclusivamente o divino querer.

38 - Cumpre fazer tudo de nossa parte para não nos tornarmos pesados. Como consola, uma religiosa que tem sempre um modo, bom, um sorriso, sempre humilde, sempre mansa, sempre amável com todas, sempre pronta para servir a todas.

39 - O amor mútuo torna os trabalhos leves, as dificuldades superáveis, a vida comum agradável.

40 - Ir para o trabalho como para a oração, abraçando-o como meio de apostolado. A alma envolvida no amor de Deus transformará todos seus instantes em caridade, em graças para os sacerdotes, pecadores etc.

41 - Viver consumida por um grande, intenso desejo de ser uma pura chama de oração. Importa acima de tudo permanecer no fervor da vontade, isto é, na disposição firme, profunda, sincera de entregar, oferecer, sacrificar tudo a Deus, sempre e a cada momento.

42 - Fidelidade nas menores coisas, ao dever de cada minuto, agindo fora, mas vivendo dentro, lá no fundo silencioso da alma, onde Jesus mora.

43 - 0 Igreja sacrossanta, tudo em ti me arrebata! Para ti, para que os teus filhos (sobretudo os teus ministros) sejam santos, ofereço todos os meus sacrifícios e imolações, todas as preces, todos os instantes de minha vida.

44 - Como ser sempre melhor senão mergulhando sempre mais a dentro nesse mar de amor até transformar-se nele? Aí a gente aprende a amar, a ser humilde, a ser compassiva e indulgente, a esquecer-se de si.

45 - Deus está em sua alma, não precisa esforço nem concentração para achar essa divina presença.

46 - Com Jesus, através de Jesus, tudo é belo, grande, sublime, sobrenatural. Não há coisa baixa, pesada, triste, difícil. Ele é amor, e quem só a ele contempla, só vê amor.

47 - É preciso subir sempre pelo amor. Descer sempre pela humildade e sujeição.

48- Não podes dar pouco nem mesmo muito. Tens de dar tudo! Tens de ser Maria sempre mais.

49 – São raras as ocasiões dos grandes sacrifícios. É preciso abraçá-los dando a maior gloria possível a Deus.

50 - Tudo passa, o belo céu nos espera… Jesus nos ama, é companheiro de nosso exílio, está conosco no Santíssimo Sacramento… A Mãe de Deus é nossa mãe… Vivemos no seio do Amor misericordioso...

51- Onde acharas formosura, perfume, viço, graça, vida? — Lançando raízes em Jesus, alimentando-se de sua seiva, comungando a tudo o que ele é. Sua santidade é tua beleza, sua imitação teu perfume, sua graça é seu viço, seu amor é tua vida, tua atmosfera, teu ambiente.

52 - Ainda mesmo que te pareças estar em trevas, não tenhas medo, redobra de confiança. As flores são mais lindas de dia, porém à noite dão mais perfume. Algumas há até que só desabrocham nas

53 - Não te julgues dominada pela tibieza, mas provada pelo divino Amor.... Embora sem ver, sem gozar, vá caminhando, apoiada na fé, guiada pela obediência, cumprindo seu dever, custe o que custar.

54 - Tudo e pouco para ganhar a posse de Deus eternamente.

55 - Devemos receber e abraçar com amor tudo o que nos faz sofrer porquê e o que mais nos leva para Deus.

56 - A fé diviniza, por assim dizer, a dor. E a dor aceita por Deus, amada, abraçada, fundida na cruz de Cristo, santifica e prepara para o céu.

57 - Vens do amor e vais para o amor. És toda amor. Juntei-te a mim, que sou o Amor. Mas nesta vida será na obscuridade da fé. Só no céu serás consumada no amor.

58 - Todos têm direitos legítimos e adquiridos sobre quem tem por programa e divisa: dar, sempre dar. Quem quer dar amor a Deus, em tudo lhe dá amor: no trabalho, nas canseiras, nas lutas interiores, nos atos de renúncia… Que vida tão alta e sublime em que o sol é Deus, e a atmosfera é amor.

59 - Devemos ser mãe das almas. Mãe, não pela fraqueza ou pela ternura de mulher, mas pela dedicação levada ao infinito.

60 - Quem é escravo de amor, não tem direito a preferir ser antes vendido a um do que a outro… O Amor é seu dono, e tudo que faz é muito bom.

 

 

 

Ler 2634 vezes
Avalie este item
(2 votos)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Contato

Endereço:
Rua Joaquim Nabuco, 1008 - Brooklin - São Paulo-SP
Tel:
(11) 5044-3664
Site:
www.carmelitasmensageiras.org.br
Email:
contato@carmelitasmensageiras.org.br

Pedido de Oração